Confira o nosso guia completo sobre os tipos de pneus

11 minutos para ler

Você sabe quais são os tipos de pneus mais indicados para seu veículo? Esse componente, além de ser um item durável, é a única peça do seu carro que fica em contato com o piso e, por isso, a garantia da sua segurança e conforto ao dirigir são fundamentais. Portanto, é indicado ter sempre pneus iguais, mesma marca e modelo em um mesmo eixo e, se possível, manter essa orientação para as quatro rodas. 

Essa dica é válida, pois ainda que os pneus tenham a mesma medida, podem ter diferentes elementos em sua composição e isso pode trazer prejuízos ao controle do veículo em situações de risco. Quando a escolha não for muito satisfatória, podem surgir sérios problemas na suspensão do carro, na caixa de direção, nos terminais e diversos outros itens — além de prejudicar a condução do carro ainda coloca sua vida em perigo. 

Quer saber mais, continue com a leitura deste guia e aprenda como identificar e escolher o pneu certo para seu automóvel. Boa leitura!

Você conhece seu veículo?

Para escolher o melhor pneu para o seu carro, o primeiro passo é consultar o manual do veículo. Você encontrará todas as informações do pneu ideal e, seguindo corretamente as orientações, os sistemas de suspensão e direção podem ter uma vida útil mais longa, além de reduzir as chances de acidentes.

O mercado oferece centenas de opções para as mais variadas aplicações e necessidades que atendem a todos os automóveis. E, como é de se esperar, os preços variam muito também. Logo, o mais importante é conhecer os tipos de pneus que mais satisfazem a necessidade de cada motorista.

Por que é tão importante avaliar de maneira adequada os tipos de pneus?

Comprar um novo pneu não é uma tarefa simples. É necessário fazer uma análise, pesquisar as marcas e refletir sobre os benefícios e desvantagens antes da compra. A marca é importante, mas não é o único ponto a ser considerado ao definir qual produto levar. 

Inicialmente, é interessante que você saiba qual o tamanho do pneu, em seguida, que analise a carga que o veículo suporta. Na lateral, existem algumas informações: tipo, medidas, limite de peso, tração e velocidade.

Leve em consideração a região e o clima onde o carro vai mais rodar para determinar qual a sua validade. Regiões muito secas ou chuvosas, estradas de terra ou asfaltadas necessitam de tipos de pneus diferentes e, se não for apropriado, a vida útil pode ser menor do que o esperado, diminuindo a segurança.

Para rodar na chuva, são aconselhados os que apresentam os sulcos de tamanhos maiores para melhor drenagem da água. É necessário que o motorista leve em consideração uma série de referências e as medidas estejam de acordo com o modelo do automóvel. Aliás, é necessário que as manutenções estejam em dia para evitar danos ao veículo.

Quais são os principais tipos de pneus existentes?

Atualmente, existem variados tipos de pneus, e cada um apresenta uma característica para determinado uso. Porém, como são tantos, você pode ficar inseguro de como utilizá-los corretamente. Pensando nisso, mostramos a seguir os diferentes tipos de pneus e suas características. Confira!

Pneus on-road

A maior parte dos carros já saem de fábrica com esse pneu. Ele é perfeito para as regiões onde o asfalto predomina. A robustez do material utilizado na sua fabricação, o design das bandas, são os elementos que fazem a maior diferença em comparação a outros pneus.

Uma outra característica é sua habilidade de escoar água. Outra, é a dificuldade em rodar em terrenos de terra ou mesmo na presença de lama. Nessas circunstâncias, a recomendação é off-road que abordaremos em seguida.

Pneus off-road

Esse pneu é fabricado para enfrentar lama e estrada de terra. Por isso, os sulcos com profundidade maior e blocos de borracha maiores, são responsáveis por aprimorar a tração do veículo nesses terrenos. São ideais para as trilhas, e não faz feio nos declives e nem nos aclives.

Para utilizar em picapes, existem modelos mais simples. No entanto, no asfalto, por não possuir os enormes blocos de borracha, seu contato com a pista, sua eficiência é menor e isso, dificulta a aderência e ainda aumenta os ruídos do veículo.

Pneus run flat

A maior inovação desde que apareceram os pneus radiais é a tecnologia run flat. São pneus que continuam a rodar mesmo depois de furados. Nos carros BMW e Mercedes, já é uma realidade, pois eles já saem de fábrica equipados com esse pneu. A superioridade desse produto está na segurança de poder continuar rodando, em uma velocidade razoável e, assim, ter a possibilidade de encontrar um lugar seguro para fazer a troca ou o reparo.

Um ponto positivo é que dificilmente apresentará bolhas, pois sua parede é muito dura. Então uma bolha nesse tipo de pneu não será um problema, mas em um comum, ela pode fazê-lo explodir, literalmente. No caso do run flat, se a bolha explodir, o pneu somente perderá o ar, permitindo que você rode normalmente.

Pneus de alta performance

O pneu de alta performance tem características bem específicas, sobretudo no que diz respeito à área de contato com o piso, já que quanto maior for a aderência, maior a tração do veículo.

Contribuem com maior dirigibilidade, aderência, frenagem e segurança. Como os pneus de alta performance são mais largos, a parede lateral é mais baixa e normalmente apresentam sulcos diferentes. Essas peculiaridades aumentam o desempenho do veículo, mas provocam um maior desgaste do pneu, portanto, o tempo de vida será bem menor.

Além do mais, os pneus de alta performance têm estrutura diferente dos demais tipos. Eles são mais robustos, com materiais especiais na cinta do pneu, permitindo que o carro tenha um melhor equilíbrio em condições de alta velocidade.

Pneus mistos

É o pneu desenvolvido para rodar no asfalto como também nas estradas de terra. Esses pneus tem o melhor de cada categoria (on-road e off-road). O crédito por seu bom desempenho está na utilização de materiais e métodos de fabricação mais modernos e também pelo desenho de sua banda de rodagem. Esses pneus, devido a sua versatilidade, são os mais vendidos.

Pneus verdes

Fabricados com materiais atóxicos, os pneus verdes tem um forte apelo na questão ecológica, mas são pretos como todos os outros modelos. Duas características bem marcantes são:

  • o pneu verde é mais leve e tem menos resistência no seu contato com o solo;
  • na sua fabricação a emissão de gás carbônico (CO2) tem valores mais reduzidos que outros modelos.

No entanto, os pneus verdes são mais caros que aos modelos mais tradicionais. Mas, no mercado ainda existe um certo ceticismo em torno do seu desempenho, pura fantasia!

Pneus radiais e diagonais

Os pneus são categorizados conforme a técnica de construção, radial e diagonal. Os radiais, o mais vendido, têm suas lonas arranjadas umas sobre as outras. Em alta velocidade e nas curvas, os pneus radiais são os melhores. 

Os diagonais, fabricados com método mais antigo, as lonas são colocadas no sentido diagonal em sua estrutura. Esse tipo de pneu é muito utilizado nos veículos mais clássicos e assim, mantém sua originalidade.

Quais os riscos de não escolher o pneu mais adequado?

No momento de comprar um pneu, sempre é fundamental atender às necessidades do veículo e o tipo de utilização. Um pneu misto em um veículo de passeio, por exemplo, produz muito ruído, interfere no conforto do motorista e diminui a velocidade de resposta da direção, além de aumentar significativamente o gasto de combustível e as distâncias de frenagem.

Da mesma maneira, o uso de pneus on-road em veículos off-road tem a desvantagem de restringir a capacidade de tração e o risco de um eventual aumento na aderência lateral, o que pode ocasionar até mesmo o capotamento do veículo. Acompanhe.

Afeta o tempo de resposta ao frear

Quando é preciso frear rapidamente, apesar do condutor ter bons reflexos, o risco de acidente é muito grande. Sem atributos que assegurem a boa aderência dos pneus, a segurança na direção fica seriamente arruinada.

Agrava o risco de aquaplanagem

A aquaplanagem ocorre à medida que uma faixa de água passa entre os pneus e a pista. Sem a profundidade dos sulcos, o veículo perde contato com o piso e passa a deslizar desorientado, sobretudo em regiões planas e bem asfaltadas.

Apesar de os pneus carecas estarem mais sujeitos a sofrer uma aquaplanagem, de acordo com o estado da pista, até mesmo os bons pneus podem deslizar por alguns metros. Por esse motivo, o conselho é nunca frear ou virar a direção, mas desacelerar e manter o carro em linha reta. Dessa maneira, você consegue recuperar facilmente o controle quando a aquaplanagem terminar.

Compromete a estabilidade do veículo

Na ausência dos sulcos dos pneus, a direção do veículo fica mais instável e desconfortante. Ao aumentar a velocidade, pode ocorrer trepidações e ruídos vindos das rodas. Quando há necessidade do alinhamento e do balanceamento, dúvidas semelhantes podem surgir. 

Nesse cenário, é preciso ir a uma oficina profissional em vez de deixar as falhas impactarem outras peças do veículo e, assim, encarecerem sua manutenção.

Maior chance de estourar

Uma das consequências mais importante dos pneus que não têm mais os sulcos (pneu careca) é a falta de aderência ao solo, característica fundamental na frenagem. Isso faz com que o veículo ande uma distância muito maior antes que consiga parar totalmente. Em situações extremas, o pneu pode até mesmo estourar devido a sua fragilidade.

Como escolher um pneu que atenda às suas necessidades?

Na hora de escolher um pneu, primeiramente, você deve compreender as referências que estão no próprio material, pois são fundamentais para identificar quais são suas características e, assim, auxiliar na hora da compra. Todo pneu tem, na lateral, algumas inscrições que permitem determinar os pontos mais importantes, como:

  • velocidade máxima;
  • índice de carga;
  • suas medidas. 

Veja o exemplo “P175/70 R14 86V”: 

  • P – Passageiros, carros pequenos;
  • LT – Light Truck, caminhonetes, vans, furgões e SUVs;
  • ST – Special Trailer, reboques, carretas pequenas e trailers diversos;
  • T – Temporários, pneus mais finos e leves para usar como estepe.

Já a numeração 175/70 refere-se ao tamanho do pneu. O 175 é a indicação da largura do pneu em milímetros e o 70 é a altura do pneu, que corresponde a 70% da sua largura. Na hipótese de você estar em dúvida sobre qual tamanho utilizar, escolha o tamanho original, que está indicado no manual do proprietário do veículo.

A letra R indica que a construção do pneu é radial. Hoje em dia, quase todos os pneus são radiais. Agora, o número 14 é o raio da roda, em polegadas. Procure adquirir o pneu do tamanho correto para a sua roda, pois, se for diferente, será necessário adquirir rodas compatíveis aos pneus. Os raios mais utilizados para carros de passeio e utilitários leves são 13, 14, 15, 16 e 18 polegadas.

Os últimos dois dígitos são a indicação da carga e da velocidade que são suportadas pelo pneu. No exemplo acima, 86 é a carga que o pneu suporta, ou seja, cada um suporta, no mínimo, 1/4 do peso total do carro com 4 pneus e, preferencialmente, com alguma folga. E, finalmente, temos o V, que é a velocidade máxima suportada pelo pneu. 

Pondere sempre as vantagens que ele pode oferecer, pois você vai lembrar deles quando precisar frear de repente para evitar acidentes e colisões, ou ainda nas condições de ultrapassagem, desviando de buracos, nas curvas acentuadas, aquaplanagem etc. Portanto, não compre pneus apenas pelo preço baixo.

Com todos esses dados em mãos, você já sabe qual o tipo de pneu ideal para seu automóvel. Neste instante, o mais acertado é não ousar: compre um pneu com as mesmas características do original, pois este é o que vai proporcionar um melhor desempenho para seu carro e para a próxima troca. Lembre-se de ir a uma loja confiável e dirija com total segurança! 

Você quer escolher o pneu certo para seu carro? Então entre em contato com a nossa equipe e conheça os tipos de pneus para seu veículo!

Posts relacionados

Deixe um comentário