5 mitos sobre pneus importados que você deve desconsiderar

7 minutos para ler

Afinal de contas, os pneus importados são realmente confiáveis? Por incrível que pareça, essa é uma dúvida comum para muitos consumidores. Sendo assim, decidimos abordar o tema com toda a nossa experiência, explicando os principais detalhes desses produtos e qual a importância deles para o consumidor.

Pois como perceberá aqui, esses pneus são determinantes para alimentar a competitividade no mercado, estimulando que indústrias brasileiras e estrangeiras continuem trabalhando para desenvolver componentes de alta qualidade, conquistando o cliente com soluções cada vez mais seguras, duráveis e acessíveis. Então, não perca tempo e vem com a gente descobrir mais sobre o tema!

Os diferenciais dos pneus importados

Primeiro, é importante entender o que é um pneu importado. De maneira resumida, um item importado é um componente fabricado no exterior que, depois, chega no mercado brasileiro por meio do processo de importação. Ou seja, trata-se de um processo natural da economia, em que fabricantes estrangeiras distribuem seus produtos em outros países, ampliando a atuação da marca.

O melhor exemplo para entender isso é olhando para os demais segmentos da indústria, pensando nos setores automotivos, eletrônicos e por aí adiante. Afinal, boa parte dos itens cotidianos da nossa vida são importados, o que não interfere em nada em sua qualidade, apenas atesta o seu local de fabricação.

Na indústria de pneus, o mesmo acontece. Na realidade, o que determina a excelência de um produto é todo o arranjo científico por trás de seu desenvolvimento. Ou seja, existem excelentes pneus de todas as nacionalidades, mas o que realmente destaca as melhores marcas é a sofisticação técnica que essas empresas aplicam em seus produtos.

Um exemplo disso é a própria Hankook, uma das 7 maiores produtoras de pneu no mundo. Logicamente, a sul-coreana não conquistou essa posição por acaso, mas sim por empregar uma filosofia consistente, com 79 anos priorizando a qualidade, a segurança e o comportamento dinâmico dos veículos que equipam os seus pneus.

Os 5 principais mitos sobre pneus importados

Agora, chega o momento de esclarecer o tema de uma vez por todas. Para isso, reunimos os cinco mitos mais difundidos em nosso mercado contra os pneus importados. Veja só!

1. “Os pneus importados são ruins!”

Não existe nenhum fundamento para essa afirmação. Até porque, infelizmente, precisamos concordar que muitos pneus importados são até melhores do que os de fabricação nacional. A explicação para isso está justamente no histórico de pesquisa e inovação industrial de cada país. Afinal, quanto maior o estímulo de desenvolvimento científico, maior a probabilidade de que as indústrias nacionais produzam itens de alta qualidade.

2. “Os pneus importados não têm data de validade!”

Nada disso! Na realidade, o que você precisa entender é o seguinte: tanto os pneus como qualquer outro componente relativo à segurança da condução são projetados com um arco de durabilidade. Ou seja, as fabricantes, tanto nacionais como internacionais, são obrigadas a determinar um intervalo de uso seguro para os seus componentes.

Até porque esse é o tipo de norma fundamental para a padronização da qualidade industrial em todo o mundo. Com essas regras, fabricantes de qualquer nacionalidade trabalham para desenvolver o melhor produto, em uma busca incessante para a criação da solução mais segura e com o melhor custo-benefício. No fim das contas, o consumidor é o maior beneficiado, pois aproveita de uma série de opções competitivas no mercado.

3. “Importação não importa, pois é o tamanho do pneu que indica a sua qualidade!”

Já aqui, uma outra afirmação que só serve para confundir o consumidor. Então, vamos lá! Primeiro, é importante entender que o tamanho dos pneus não é um indicativo direto de sua qualidade, durabilidade ou robustez. Na realidade, a dimensão do componente é apenas uma das especificações que devem atender os requisitos do carro no qual ele será instalado.

Para apresentarem bom desempenho, os pneus devem ser compatíveis com a aplicação desejada pelo proprietário, seja em termos do tipo de veículo no qual o componente é instalado, seja em relação às características dos trajetos e, por fim, seja relativo ao perfil de condução, agressivo para pistas, exigente para o fora de estrada ou convencional para o circuito urbano.

Sendo assim, o que realmente importa é comprar um conjunto de pneus que atende às suas necessidades, em uma relação compatível com o seu carro. Por esse motivo, a importação continua sendo um indicativo mais confiável para a qualidade do componente do que as suas dimensões.

4. “Misturar pneus nacionais e importados diminui a durabilidade do conjunto!”

Já aqui, temos uma meia verdade, mas não por conta da origem de fabricação dos pneus, mas, sim, por uma questão técnica de diferentes especificações. A melhor forma de exemplificar essa situação é entendendo que o mesmo pode acontecer entre diferentes pneus nacionais.

Primeiro, por conta do desgaste desarmônico. Colocar pneus novos junto a pneus velhos tende a alterar o comportamento dinâmico do veículo, já que os componentes trabalham em diferentes condições operacionais. Mas não apenas isso!

A instalação de pneus com especificações muito diferentes, em termos de tamanho, perfil, tipo e afins, tende a impactar a dirigibilidade do veículo. São raros os casos em que a seleção de pneus diferentes é algo recomendado pela fabricante, sendo uma prática mais comum entre modelos superesportivos, em que os componentes traseiros são mais largos, justamente para exercer maior aderência ao solo.

5. “Os pneus importados não foram fabricados para o clima/asfalto brasileiro!”

Já aqui, temos o mito da inadequação ou a falta de adaptabilidade. O primeiro ponto a se destacar é que, em grande escala, os pneus não são fabricados pensando em cada país especificamente. Na realidade, a indústria foca na variabilidade dos parâmetros da física e da química, desenvolvendo materiais que se comportam de forma diferente em diferentes situações, em termos de temperatura, estresse, pressão e umidade.

Com essa abordagem muito mais específica e laboratorial, as grandes fabricantes, sejam nacionais ou internacionais, conseguem fabricar componentes que podem ser utilizados em todo o mundo, com pneus que apresentam bom desempenho em várias condições operacionais, climáticas e geográficas.

Para além da engenharia dos materiais, que se dedicam ao ajuste fino da durabilidade da borracha em diferentes ambientes, o que realmente indica o comportamento de um pneu em determinado cenário é a sua proposta de fabricação, que inspira o desenho e a produção do produto.

Ou seja, os pneus de fora de estrada ganham sulcos mais profundos, além de protuberâncias espaçadas na banda de rodagem, garantindo melhor escoamento de água e aderência ao atravessar trajetos de lama, cascalho, areia ou afins.

Em outra ponta, existem os pneus esportivos utilizados no automobilismo, tradicionalmente mais macios, largos e lisos, garantindo a diminuição do arrasto e promovendo um deslocamento mais fluido e veloz. Percebe? O que realmente interfere na capacidade de um pneu superar uma aquaplanagem, por exemplo, são suas características físicas, e não o país de fabricação.

Então, agora que você entende a realidade dos pneus importados, aproveite para entrar em contato com a nossa equipe e descobrir como as soluções do nosso catálogo podem garantir o conforto e a segurança dos seus trajetos. Para isso, basta acessar nossa página e falar conosco!

 

Importando pneus
Posts relacionados

Deixe um comentário