Aquaplanagem: saiba como lidar com a água e evitar acidentes

4 minutos para ler

Ao assumir a responsabilidade do volante em dias de chuva, um dos cuidados especiais do motorista deve ser em relação à aquaplanagem, também chamada de hidroplanagem ou aqua frenagem. 

Mesmo em velocidades relativamente baixas em uma pista aparentemente pouco molhada, existe o risco de que o motorista perca o controle do veículo e se envolva em acidentes extremamente perigosos, especialmente em rodovias.

Além da água, existem múltiplas variáveis que podem causar a aquaplanagem, desde as condições dos pneus até a perícia do motorista. Neste artigo, vamos explicar melhor como isso acontece e quais as melhores formas de se proteger com segurança. Boa leitura!

Como acontece a aquaplanagem?

A aquaplanagem acontece quando, no asfalto molhado, a água fica entre a pista e os pneus do automóvel, impedindo o contato direto do veículo com o solo. Sem aderência, você perde o controle do carro, já que os pneus não estão mais tocando o chão e o giro do volante apenas movimenta as rodas sobre a água, sem mudar a direção do veículo.

Perder o controle do carro, mesmo que por poucos segundos, pode ser o bastante para um desastre. Em uma curva, por exemplo, o veículo pode escapar da pista ou invadir o sentido oposto. Além disso, sempre existe uma chance de que o carro rode ou até mesmo capote em uma aquaplanagem.

Quais as principais causas da aquaplanagem?

Existem quatro principais fatores que possibilitam a aquaplanagem: volume de água na pista, velocidade do automóvel, qualidade do asfalto e problemas com os pneus. 

Como a água e a pista não podem ser controladas pelo motorista, o mais importante em relação a ambos é a atenção: em dias mais chuvosos e em estradas em mau estado de conservação, os cuidados devem ser redobrados.

A velocidade, por outro lado, é algo sobre o qual você tem total controle. E, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, não é preciso um grande volume de água para que a aquaplanagem aconteça. Quanto maior a velocidade do veículo, menor a pressão exercida sobre o solo e maior a possibilidade de que o carro deslize sobre uma fina lâmina de água.

Por isso, ao dirigir em dias chuvosos, é fundamental reduzir a velocidade. Seja cauteloso com poças maiores e, especialmente, em curvas sinuosas de rodovias.

Por fim, mas talvez o mais importante, é entender que é crucial ter zelo com os pneus. Além de equipar o veículo com pneus de excelente qualidade, o motorista deve manter o carro alinhado e balanceado para evitar o desgaste desproporcional dos pneus e realizar o rodízio de acordo com as indicações do fabricante, geralmente a cada 5 mil km.

Também é fundamental manter os pneus calibrados: sem a pressão correta, eles ficam menos aderentes e mais maleáveis, aumentando os riscos de aquaplanagem.

Como reagir a uma aqua frenagem?

Prevenir a aquaplanagem é o melhor caminho, mas, caso ela aconteça, você deve, antes de tudo, evitar frear no susto. Essa e outras atitudes podem evitar o pior. Tão logo você perceba a perda de aderência com o solo, é preciso retirar o pé do acelerador e manter as rodas retas, evitando giros.

Assim que o carro retomar o contato com o chão, gire levemente para os dois lados para se certificar de que os quatro pneus estão no asfalto e, só depois, realize uma manobra evasiva ou pise nos freios.

Em carros com freios ABS, o motorista pode pisar com força total no pedal que as rodas não travam, mas, em veículos mais antigos, sem essa tecnologia, é preciso frear com suavidade e destreza.

Portanto, aquaplanagem é de fato um grande risco, mas com o conhecimento certo e uma boa técnica, é possível minimizar as chances de que ela aconteça.

Gostou de saber mais sobre a aqua frenagem e como evitá-la? Aproveite, então, e compartilhe este post no seu Facebook e no WhatsApp para alertar seus amigos!

Posts relacionados

Deixe um comentário